Templates da Lua

Sou uma menina de quinze anos que ainda acredita em contos de fadas, que gosta de ouvir música no último volume, que não vive sem as amigas, que adora incomodar as irmãs menores, que quer fazer faculdade de jornalismo, publicidade ou psicologia, que é indecisa – graças à mãe-, que é de lua, que se irrita fácil, que não gosta de nada que tenha matemática, que é fascinada pelos livros. Sou uma menina que não acredita em sorte, que quer escrever seu livro, que é viciada em chocolate, que não pode nem ver filme de terror de tão medrosa, que adora ver TV, que odeia estudar, mas estuda. Sou uma menina que quer viajar pelo mundo inteiro, conhecer gente nova e fazer compras, que sonha com seu príncipe encantado, que precisa conhecer, pelo menos, algum dos seus ídolos, para não pensar que há um complô lá em cima contra ela. Sou uma menina careta que quer muito ir para o Caribe com as amigas, ficar moreninha, beijar uns marinheiros gatchenhos e nadar naquela água transparente. Sou uma menina que acredita demais no amor. No único e verdadeiro amor. Aquele para a vida toda. Dayanne, prazer :) Pode me chamar de Day.

Photobucketdayds_@hotmail.com

Image Hosted by ImageShack.us

Desde o começo...

+ veja mais

Outros Sites

Gostou?? Clique aqui e pegue o seu!!!

Gostou?? Clique aqui e pegue o seu!!!

UOL


Propaganda é a alma do negócio 8D
Continuação de P.Sorte aqui: puro-azar.blogspot.com

Sábado , 09 de Maio

Save You (2)

só uma obrservação! eu mudei o nome de Save you para WHOEVER SHE IS. ok? beijos :*

 

- Você não respondeu a minha pergunta, docinho. – disse em sua voz harmoniosa.

         Eu gelei com sua aproximação.

         - Que pergunta? – disse.

Ele agora estava a poucos centímetros de distância do meu corpo indefeso. Eu estava amarrada a uma viga de madeira sem poder mexer os braços. Talvez eu conseguisse chutá-lo se ele chegasse um pouquinho mais perto, mas eu só ganharia uma terrível dor no pé.

         - Você não me disse se quer deixar um último recadinho ao seu namorado. – arregalei os olhos.

         - Eu n-não tenho namorado. – entrei em estado de choque. Ele não podia ir atrás de Emmett.

         - Não tem? Nossa, ele ficaria desapontado vendo você escondendo-o desse jeito. Qual é mesmo o nome dele... Emmett? – ele andava em volta de mim. Passos lentos e calculados. – Eu acho que ele gostaria de ouvir as últimas palavras de namorada humana... Devo guardar um pouquinho do seu sangue para ele? Deve ter sido muito difícil segurar a sede com uma coisinha tão linda como você à disposição.

         - Do que você está falando? – perguntei desconfiada, virando a cabeça para poder vê-lo. – Emmett é humano!

         - Nananina-não. – sussurrou em meu ouvido. – Por onde você esteve, Hale? – estive caçando você, idiota. – O seu namoradinho não é humano há algum tempo. Desculpe por lhe contar deste jeito, pensei que você já soubesse, mas parece que vocês têm que botar as fofocas em dia. – ele fez uma careta enquanto eu tentava pôr os pensamentos em ordem.

         - Como...?

         - Ah, eu mesmo fiz o trabalho. Como você não me encontrou antes, sobrou para ele.

         - Não. – sussurrei. Isso não podia estar acontecendo. Emmett um deles?

         - Pobrezinho, ficou tão desnorteado quando eu o encurralei. – prosseguiu.

         - Não! – gritei, as lágrimas caindo. Mentira!, tinha que ser mentira.

         - Ah, sim! – ele focou os olhos nos meus por um momento e depois cortou as cordas que me prendiam.

         Segurou o meu braço e o levou de encontro à faca.

         - Eu conto que você não vá tentar fugir. Só tornaria a sua morte mais demorada...

         Eu não iria fugir. Tudo que eu vi era a figura de Emmett se transformando em um monstro com garras, matando pessoas para sobreviver. Se ele havia se tornado algo assim, eu já não precisava mais viver.

         - Não vou mentir, Hale. Você daria uma ótima vampira, mas faz dias que eu não caço, e a sede está me matando, entende?

         - Tanto faz. – foram as minhas palavras para o vampiro.

         Ele afundou a faca no meu braço e por um momento só inalou o cheiro do sangue.

 


Escrito por Daay D. às 13:31
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Quarta-feira , 06 de Maio

novidades!

 

Oi gurias! Post rápido só para contar umas novidades. Eu fui convidada para escrever um texto (Algo a Mais) no blog www.quatroanos.blogspot.com, vão lá ver! *-*

Outra, eu a Fran fizemos um blog nosso, para nós duas escrevemos coisas juntas e etc. Se quiserem passar lá, www.elasusamrosachoque.blogspot.com

É isso! Eu queria pedir que vocês lessem esse post anterior (Save You) e me digam o que acham! Obrigada!

Beijo girls ;* Day.


Escrito por Daay D. às 19:38
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Terça-feira , 05 de Maio

Save You. (1)

 

hola chicas (: então, aqui a primeria parte de uma história, que se vocês gostarem eu posto mais! É uma história para a fic "Caçadas Infernais":
http://www.twilightfics.com/index.php/fics/exibir/1088
espero que gostem! beijos e obrigada por todos os comentários e as visitas. O blog foi eleito um dos blogs "mais legais do UOL", está lá na página www.blog.uol.com.br, se quiserem ver!

 

OBRIGADA, BEIJO BEIJO :*

 

 

Save You

 

 

Você já esteve cara a cara com a morte? Como se os últimos minutos da sua vida estivessem em contagem regressiva e não tivesse nada que você pudesse fazer para se salvar?

         Não? Eu esperava essa resposta. Não há nada do que uma boa alma normal para ouvir os últimos momentos de uma pobre alma bem “anormal”.

         Não era só mais uma caçada, era o último passo para chegar naquilo que tinha assassinado o meu pai. Foram longos dias pesquisando, tentando encontrá-lo. E no final, nada valerá a pena se os meus dias acabarem aqui. Da pior forma.

         Foram, hm, só quatro meses procurando este cara que me levaria àquele sanguessuga, conhecido por seus capangas como Sr. Bloodred, (eu sei, as pessoas atualmente desfrutam de uma criatividade admirável. Eu os invejo).

         Eu olhei de esguelha o meu arco e flecha no chão, longe de mim. Jason, o capanga de Bloodred, estava tagarelando de costas para mim, sobre algo que eu não fazia idéia. Quando eu me encontro em situações como esta, eu geralmente bloqueio as palavras assassinas dos sanguessugas e tento achar uma maneira de escapar.  É muito útil esse tempo – em que eles começam a dizer tudo que vão fazer você sofrer – para escapar; antes que ele comece todo aquele ritual ridículo de me cortar no pulso e drenar o meu corpo. Pelo menos é isso que eu espero que ele faça. Rezo para ele não ter a brilhante idéia de me transformar em um deles. Eu não suportaria virar o mostro que matou o meu pai. Ah, de jeito nenhum.

         Eu preciso me livrar destas cordas. E rápido.

         Foi então que eu notei um estranho silêncio na cabana. Ele havia parado de falar. Engoli em seco. Seria agora.

         Jason se virou para mim com um sorriso de extrema felicidade e me mostrou a faca bem afiada que segurava na mão direita.

 


Escrito por Daay D. às 13:54
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]